NOVIDADES

Priorizando indicadores

Use o gráfico de dispersão como alternativa ao Pareto em projeto com mais de um indicador - Como priorizar análise e foco do plano de ação?

17/01/2018 às 12h24

Gestão do tempo é fundamental em um projeto de melhoria. Poder executar os passos de análise e melhoria com mais rapidez e eficiência é vital para conseguir atingir os objetivos estabelecidos.  Além de ser útil para avaliar correlação entre duas variáveis com um modelo de regressão, o gráfico de dispersão pode ser usado para priorizar ações ou foco de análise em projetos com necessidade de atacar muitas frentes e substitui o gráfico de Pareto quando o projeto tem dois KPI's principais.

Exemplos de projeto com aplicabilidade deste conceito: 

E assim por diante.

Para explicar o conceito, vamos tomar como exemplo um projeto na área comercial/MKT.  O objetivo do projeto é maximizar o retorno financeiro de uma rede de lojas espalhadas pelo pais inteiro. A Tabela abaixo mostra resultados fictícios do desempenho de cada uma das filiais.

Como é possível observar, há desempenhos diferentes entre as 20 lojas. Algumas com boa composição de volume e margem, outras nem tanto. Como as equipes de projetos de melhoria de processo costumam ser bastante enxutas, convém fazer uma priorizaçãotanto para entender em quais lojas a equipe deveria fazer um "mergulho" e entender no detalhe os cenários e causas de bom/mal desempenho quanto na fase de melhoria, priorizar por onde começar a atacar.

Esta priorização pode ser feita usando um diagrama de dispersão. Neste exemplo usamos excel porém a análise poderia ser feita usando o minitab também. Veja abaixo como ficou o gráfico de dispersão neste caso:

Observamos graficamente as 20 lojas dispersas entre os eixos de Margem % e de Volume de vendas. O objetivo neste caso NÃO é traçar um modelo linear e sim usar o diagrama de dispersão para criar quadrantes com características diferentes e assim priorizar. Observe o que acontece quando colocamos linhas representando a mediana de cada eixo:

Agora temos as lojas separadas em quatro quadrantes diferentes. E agrupadas desta maneira, podemos adotar uma estratégia de priorização. Fica ainda mais fácil de entender se colocarmos um código de cores. Observe:

Se o projeto está na fase de Análise, pode usar o diagrama acima para escolher lojas a visitar para fazer um benchmark (alto volume de vendas e alta margem) e quais lojas devem ser visitas para entender um mal desempenho (baixo volume e baixa margem).

Se o projeto está na fase de melhoria e tem ações como por exemplo treinamento da equipe de vendas, distribuição de materiais e panfletos, estratégias diferenciadas e promoções, pode também usar o diagrama para começar por aquelas onde a oportunidade é maior.

Desta forma, evita-se escolher lojas que não seria produtivo visitar. Muitas vezes quando se trata de visitas em campo, prioriza-se o que está mais fácil e não o que poderia gerar insights produtivos.

Para outros projetos, a mesma mecânica se aplica. Basta trocar os indicadores que estão sendo correlacionados.

Fonte: Adaptado  de Rafael M. Tiba, Master Black Belt, consultor de Business Transformation


Voltar

Confira também:


PLAN - Soluções em Gestão
plan@solucoesplan.com.br


Rua Ocarlina Pinheiro de Souza 134, Sala 01
CEP: 35420-000 | Mariana/MG